Times - шаблон joomla Joomla
Quarta, 20 Junho 2018

A difícil recuperação do jornalista Gastão Muri após levar um tiro

“Pensei que ia morrer”

Por Gabriela Prestes

O jornalista osoriense Gastão Muri, no último dia 20 de janeiro passou pelo momento mais dramático da vida dele ao ser alvejado durante a troca de tiros entre bandidos que haviam acabado de assaltar uma lancheria na BR 101 no município de Osório. Abalado fisicamente e emocionalmente, ele se recupera do tiro que levou no braço esquerdo ocasionando uma fratura exposta, portanto uma lesão grave. As circunstâncias que o levaram a levar o tiro estão sendo investigadas pela Polícia Civil, enquanto isso, Gastão que até então mantinha um blog de notícias está sem poder trabalhar, sente fortes dores e está tendo uma alta despesa médica.

Segundo Muri, no dia fatídico, ele estava deixando a namorada em um estabelecimento comercial para trabalhar próximo à lancheria que sofreu o assalto no sentido Torres/Osório. Era uma tarde de sábado, por volta das 13h30min. Quando percebeu que estava acontecendo uma troca de tiros, visualizou uma viatura da Polícia Rodoviária Federal no outro lado da pista. Em seguida, viu um homem correr e foi aí que houve a troca de tiros e sentiu o tiro no seu próprio corpo. Instintivamente correu para um taquaral e se jogou no chão. “Nessa hora, me atirei no chão e fiz como um soldado para não ser abatido. Pensei que ia morrer”, disse.

A ação policial resultou em um dos bandidos presos, armas apreendidas e o socorro ao jornalista foi rápido. “Fui muito bem atendido pelo hospital de Osório e em Tramandaí onde tive a sorte de ser atendido por um excelente cirurgião. Mas como recém tinha almoçado quando levei o tiro, ainda tive que esperar algumas horas para ser operado por causa da anestesia”, explica Gastão. “A minha lesão foi exposta, na hora não saiu sangue. O tiro atingiu o osso úmero e tive uma lesão parcial do nervo radial”, conta Gastão que está há 34 dias com um fixador externo no braço.

Cansado, com dores, o jornalista conta que mal consegue dormir pelas dores e o fixador no braço. “Tenho que tomar remédio para dor constantemente e no início tive muitos pesadelos. Nasci de novo”, relata ele que ainda deve passar por outra cirurgia após a retirada do fixador. “Vou ter que fazer um enxerto no nervo lesionado, mas espero em final de abril voltar às minhas atividades jornalísticas”, planeja. “É um segundo aniversário. Estou valorizando mais os meus amigos, parentes. Foi um infortúnio muito grande, mas vamos superar isso. O meu objetivo é voltar logo às atividades normais”, planeja Gastão.

Aos 46 anos, Gastão é filho do historiador Guido Muri, já falecido e da professora  aposentada Zélia que está ajudando na recuperação do filho. “Parece que ainda não ‘caiu a ficha’ do que aconteceu com ele. O abalo moral e emocional é muito grande. Estamos todos nos recuperando deste incidente que ainda está nos dando uma grande despesa financeira por conta do tratamento médico. Depois das cirurgias ele vai ter que fazer várias sessões de fisioterapia para não ficar com sequelas no movimento do braço. É muito triste”, disse a mãe.

Questionado sobre a possibilidade de voltar a cobrir pauta policial novamente, Gastão fica em silêncio e não responde nada. Ao questionar se alguma vez tinha passado por alguma outra situação de violência semelhante ele disse que sim. “Fui ameaçado de morte uma vez dentro do fórum de Osório depois de um julgamento do vulgo Alemão Cleo quando tirei uma foto dele. Isso foi nos anos 90. Depois, mais tarde ele foi morto no Paraná durante a troca de tiros com a polícia. Em Osório, o bando dele realizou muitos assaltos em residências”, relata.

Sobre o futuro, planeja se mudar da cidade. “A minha família está aguardando a conclusão de um edifício em Torres onde temos um apartamento no 10º andar. Acho que nesse andar é seguro, né? Tiro não tem como...”, ironiza. “Em outubro acredito que possa me mudar, mas manterei o meu vínculo com Osório porque a mãe mora aqui”. A família contratou um advogado que acompanha o procedimento policial em relação ao ocorrido. Enquanto isso, Gastão se recupera em casa, sem poder trabalhar deixando muitos internautas que acompanhavam o seu blog com muitas reportagens sobre política órfãos de informação de qualidade. Retorne logo e boa recuperação colega!